Postagens

Mostrando postagens de 2017

Sobre a questão da transição para o socialismo (1)

Imagem
Por que discutir isso?

Pode parecer fora de propósito, num momento de recuo sem precedentes de qualquer perspectiva de transição ao socialismo. Mas justamente um dos fatores que levam ao recuo é a não existência de nenhuma proposta concreta de como fazer essa transição, depois do colapso das formações sociais com suspensão parcial da lei do valor, que levou ao discurso de "fim do socialismo" (para uma análise da desintegração do bloco stalinista, que foge do assunto dessa série, recomendo ler as obras da economista francesa Catherine Samary, por exemplo essa).

O fim do bloco soviético levou até mesmo a esquerda radical a defender, no máximo, a luta contra o neoliberalismo, resumida à rejeição (anticapitalismo). Mas existe uma descontinuidade radical entre as lutas imediatas contra medidas dos governos burgueses e a formulação de uma política alternativa, que é a precondição para disputar a hegemonia na sociedade. Sem uma alternativa, inclusive as lutas defensivas são mais d…

Julius Martov e a crítica menchevique internacionalista ao poder soviético

No centenário da revolução russa, existe toda uma pressão da mídia burguesa para transformar a data em uma marco do fracasso do socialismo. Por outro lado, nas comemorações que estão sendo feitas na esquerda, a versão absolutamente dominante é a celebração quase acrítica da política bolchevique.
Entre as várias correntes que disputaram o processo da revolução russa, uma das menos conhecidas é a dos mencheviques internacionalistas. Confundidos com os mencheviques defensistas que apoiaram a “sua” burguesia na Primeira Guerra, muitas de suas críticas entretanto foram prescientes sobre a burocratização nascente e os ritmos da transição para o socialismo. Aqui, será feito uma pequena apresentação dessa corrente, e a tradução de trechos de obras mencheviques, sobre as principais divergências com os bolcheviques.

O menchevismo
No Congresso de 1903 do Partido Operário Socialdemocrata Russo (POSDR), existe uma divisão na discussão sobre os estatutos. Os majoritários (“bolcheviques”, em russo) de…

Debate: que tipo de sociedade era a URSS?

Imagem
Gente, junto com o Gabriel Bragança, o Daniel Delfino e o Márcio Monteiro, estou ajudando a organizar esse debate sobre qual era a natureza de classe da União Soviética.

Vai ser na UERJ na segunda dia 23, às 18h30.
O Gabriel vai defender que a URSS era capitalismo de Estado, o Daniel que era uma forma pós-capitalista de capital (a teoria do István Meszáros), o Márcio vai defender que era um Estado operário degenerado (a teoria do Trotsky), e eu que era uma formação social com suspensão parcial da lei do valor (a teoria do Hillel Ticktin).
Ainda não encontramos ninguém pra defender que a URSS era socialista, nem também ninguém pra defender que era uma nova forma de sociedade de classes. Alguém se habilita?
O link do evento no Facebook tá aqui

Vou apresentar trabalho no seminário do SINDSCOPE sobre os 100 anos da revolução russa!

Imagem
Gente, o Sindscope (Sindicato dos Servidores do Pedro II) está organizando um seminário sobre os 100 anos da revolução russa, e eu vou falar lá no dia 17, sobre os mencheviques internacionalistas e a crítica que eles fizeram à política dos bolcheviques. A programação completa tá aqui

Nem toda política é identitária (Kenan Malik)

Traduzido a partir daqui


"Toda política é identitária". E "sem políticas identitárias, não pode haver defesa dos direitos das mulheres ou dos direitos dos grupos minoritários". Essa são as duas defesas contemporâneas mais comuns das políticas identitárias. À medida que as críticas às políticas identitárias se tornaram desenvolvidas e ferozes, a defesa também ficaram. Então, eu quero começar uma crítica da crítica, por assim dizer, e assim reafirmar a necessidade de desafiar as políticas identitárias.
As identidades são, obviamente, de grande importância. Dão a cada um de nós um senso de nós mesmos, de nosso enraizamento no mundo e de nossos relacionamentos com os outros. Ao mesmo tempo, a política é um meio, ou deveria ser um meio, para nós levar além do senso estreito de identidade dado a cada um de nós pelas circunstâncias específicas de nossas vidas e pelas particularidades das experiências pessoais. Como adolescente, fui atraído pela política por causa da minh…

Arte - nos Estados Unidos e na Rússia (Mário Pedrosa)

Imagem
Costuma-se, em certos círculos, acusar os artistas, ditos abstracionistas ou concretos, de fugirem à realidade cotidiana, de escapismo. Estes artistas seriam, assim, adeptos da velha teoria da "arte pela arte", ou do refúgio da "torre de marfim". Ao contrário disso, eles se colocam com os dois pés fincados na realidade do presente. Para eles, a realidade não é "adjetivada" de "socialista", "brasileira" ou "nacional". A realidade, simplesmente, é.

O objetivo com que sonham é precisamente tirar daquelas possibilidades de presente, isto é, de nossa época "neotécnica"segundo a terminologia de Patrick Geddes e de Mumford, uma arte que seja a cristalização do estado de cultura e civilização a que o homem potencialmente atingiu. São todos sujeitos de um robusto otimismo. Por um paradoxo que dá muito a refletir, dentre os jovens artistas modernos, quase que os únicos a denotar pessimismo (nas obras), certa tendência niilis…

O meu conto "Pinturas para o Templo" vai ser publicado na coletânea "Evangelho de Cthulhu", da Editora Draco!

Imagem
Uma notícia maravilhosa! É uma coletânea de terror inspirado na obra do Lovecraft. É um conto que tem um valor sentimental muito grande pra mim, porque é uma homenagem que eu tentei fazer à arte moderna, os personagens principais são o Augusto dos Anjos, a Hilma af Klint e o Mondrian, e tem elementos da arte pré-histórica nordestina que eu conheci ouvindo os causos do meu pai.

O resultado com os contos selecionados tá aqui.

Nosso conto "Cyberfunk" vai ser publicado na coletânea "Cyberpunk" da Editora Draco!

Imagem
Fiquei muito feliz com essa história!

Esse conto que eu escrevi com o Carlos Contente foi o que começou o nosso projeto que vocês podem acompanhar no nosso blog e lendo o e-book.

O anúncio dos contos selecionados tá aqui. Vai ser a minha primeira publicação em livro físico!

Dolor (Theodore Roethke)

Eu conheci a inexorável tristeza dos lápis,
Perfeitos nas caixas, dolor de carimbeira e peso de papel,
Toda a miséria das pastas de arquivo e goma arábica,
Desolação em locais públicos imaculados,
Sala de visitas solitária, lavabo, trocador,
O pathos inalterável da bacia e do caneco,
Ritual de etiquetadora, clipe, vírgula,
Duplicação infinita de vidas e objetos.

E vi o pó das paredes das instituições,
Mais fino que farinha, vivo, mais perigoso que sílica,
Filtrado, quase invisível, por longas tardes de tédio,
Colando um fino filme nas unhas e sobrancelhas delicadas,
Esmaltando o cabelo branco, as usuais faces cinzas duplicadas.

"Criminologia crítica e crítica do direito penal", do Alessandro Baratta

Imagem
O Patrick e o Guilherme me recomendaram esse livro. Eu achei um barato (hahahahahahahah). Na internet, como sempre, tem gente passando vergonha de todas as formas, uma delas é defendendo versões absurdas de teorias críticas sobre o direito. Esse livro tirou as minhas dúvidas. Eu vou tentar explicar aqui como ele é. Eu li na versão em castelhano aqui.


Definição
O livro começa com uma tentativa de definir a relação entre a criminologia e a sociologia jurídica. Ele vai dizer que o que delimita a especificidade e a autonomia da sociologia jurídico-penal é o seu objeto, que são os comportamentos e efeitos do sistema jurídico-penal e as reações não-institucionais a ele, assim como as interrelações entre esses elementos. Além disso, mesmo com uma convergência cada vez maior de métodos, a sociologia jurídico-penal e a criminologia (especialmente a sociologia criminal) têm uma diferença de objeto, porque a primeira trata do sistema jurídico-penal e a segunda, do comportamento desviado e de c…

Primeiro a luta de classes? (Kátia Cajá)

Você realmente acha que, resolvendo a questão econômica, acaba o patriarcalismo, o racismo e a homofobia?

Os homens de esquerda mentem. Dizem que sem focar nela, as opressões não são superadas. Mentira. O capitalismo tá aí firme e forte e já conquistamos nele mesmo direito a divórcio, participação política, em muitos países ao aborto e casar a com outra mulher, e a violência doméstica foi criminalizada. O que não mudou foi a exploração da burguesia sobre as mulheres trabalhadoras.

Sendo eu mesma uma trabalhadora, sou anticapitalista. Mas o feminismo liberal tá aí avançando a passos largos. Os marxistas precisam incorporar os avanços que as feministas materialistas trouxeram urgentemente, ou as mulheres operárias e camponesas vão ficar eternamente abandonadas. Ou então, como eu estou agora, lutando irmanadas em organizações feministas, mas sem a potência que poderíamos ter se fossemos admitidas nas organizações mistas.

Infelizmente as organizações marxistas incorporaram um discurso fe…

John Berger sobre o nu na arte europeia

Imagem
John Berger (1926-2017) foi um crítico de arte marxista inglês. Essa tradução é do terceiro capítulo do seu livro mais conhecido, Modos de Ver, e é uma síntese entre o marxismo e a teoria feminista, aplicada na análise da arte. Eu traduzi a partir da versão em castelhano. Infelizmente, não consegui encontrar todas as imagens do original, mas tentei selecionar as imagens de forma a manter os exemplos do que ele argumenta.


De acordo com os costumes e convenções, que finalmente estão sendo questionados, mas que não estão em nada superados, a presença social de uma mulher é de um gênero diferente da do homem. A presença de um homem depende da promessa de poder que ele encarna. Se a promessa for grande e crível, a sua presença será chamativa. Se for pequena ou sem credibilidade, o homem verá que a sua presença é insignificante. O poder prometido pode ser moral, físico, temperamental, econômico, social, sexual... mas o seu objeto é sempre exterior ao homem. A presença de um homem sugere o q…