Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

Provai todo espírito

Carla tinha conseguido terminar de se arrumar.

No meio do calor de janeiro, ela teve que cobrir o seu corpo rechoncudo todo com aquelas roupas de grife, quando a maior vontade dela era andar de short e camiseta. Mas não podia dar mole, o que ela ia fazer era perigoso demais pra ela piorar tudo criando outros problemas com a polícia.

Então, depois de uma bem planejada desculpa esfarrapada, em coautoria com a Bruna, a garota foi pegar o ônibus velho e lotado que ia para a praia. Não exatamente para a praia, porque o que aquele monte de gente ia ver era mais uma Concentração de Fé e Milagres.

Ela tinha acabado de perceber que tinha esquecido a Bíblia, mas teve a sorte de passar por uma das banquinhas em que a prefeitura distribuía de graça. Sem a bíblia e a roupa vermelha e azul, na frente do Marriot, seria impossível encontrar o Ahmed e pegar o livro que ela ia buscar.

Só encontrar o Ahmed já foi uma miniaventura. Não que as proibições fossem tão rígidas assim, afinal das contas isso é…

Guerra nas Estrelas (Slavoj Zizek)

O Luther Blisset, leitor do blog, mandou esse artigo do Zizek sobre Guerra nas Estrelas, já que ele gosta da série (que eu acho muito ruim, além de ser de fantasia muito maldisfarçada de ficção científica), enão concorda comigo. O artigo é muito bom, deem uma lida:



A decadência da ficção científica (parte 2)

Imagem
VII.

Alguém pode argumentar: ah, mas isso de imaginação regressiva só vale pra ficção espacial, você não foi pras áreas mais "técnicas" da FC.

Nada disso! Apesar desse tema de viagem no tempo ser chato pra caramba (porque tudo se resume à uma disputa física e filosófica sobre o que é a linha de tempo, ou seja, se ela pode se alternar ou se tentar alterar o passado cria um universo paralelo), vamos lembrar que nenhum livro interessante pode ser escrito em cima dos aspectos puramente técnicos.

Um livro que é considerado o primeiro da FC por muitos, A Máquina do Tempo, de H. G. Wells, por exemplo, consegue usar o tema da viagem no tempo para falar das contradições sociais no capitalismo (o Wells era socialista, ou mais especificamente, socialdemocrata, e tem uma entrevista famosa dele com o Stálin). A civilização do futuro é dividida entre os Morlocks, que vivem em máquinas nos subterrâneos, e são os descendentes dos operários, e os Elois, incapazes de trabalhar, …