Apelo de Lukács contra o processo a Angela Davis


Fonte: https://gyorgylukacs.wordpress.com/2014/07/09/appello-di-lukacs-contro-il-processo-ad-angela-davis/


«l’Unità», 12 de janeiro de 1971

Documento assinado por um grupo de intelectuais da Europa Ocidental e Oriental
Budapest, 11
Um grande grupo de eminentes intelectuais da Europa Ocidental e Oriental, entre os quais György Lukács, os escritores alemães Heinrich Böll e Martin Walser, o austríaco Ernest Fischer, o dramaturgo suíço Rolf Hochhuth (autor de «O Vigário»), os diretores húngaros Miklos Jancso e Andras Kovacs e os escritores italianos Elsa Morante e Nelo Risi, divulgou hoje um apelo ao povo americano contra a perseguição a Angela Davis.
Diz o documento:
«Os signatários deste apelo se dirigem à opinião pública americana com a convicção de que esta saberá exprimir a profunda apreensão nutrida por milhares de intelectuais europeus, em relação ao caso de Angela Davis. O caso Dreyfus na Europa, o trágico destino de Sacco e Vanzetti na America, convenceram plenamente todas as pessoas dotadas de uma visão claras das coisas de que é possível privar da liberdade ou até mesmo matar um homem, mesmo respeitando todas as prescrições formais da lei, explorando, de forma sistemática e demagógica, todas as formas de preconceitos. Tudo indica que também contra Angela Davis está em curso uma campanha psicológica para preparar o terreno a um abuso legal.
Angela Davis está privada de sua liberdade e corre risco de morte por causa de dois preconceitos: o primeiro, e mais importante, é o ódio racial com que pretendem intimidar, através da pessoa de Angela Davis, um grupo de seres humanos em luta pela sua emancipação. O outro preconceito é alimentado pelo confronto com militantes de esquerda. Não é necessário estar de acordo com as ideias de Angela Davis para respeitá-la como uma pessoa que vive e se sacrifica pelos seus ideais, e para compreender o caráter e os objetivos da demagogia que ora ameaça a sua liberdade.
Um atentado coletivo

Os signatários deste apelo tememos que um aparato jurídico formalmente correto possa cometer um atentado contra uma pessoa inocente, cometendo, através da pessoa de Angela Davis, um atentado coletivo contra milhões de homens. Nós nos endereçamos, portanto, a representantes de ideologias muito diversas, que não considerem vazias as palavras democracia e justiça (independente das interpretações que se deem a elas), para que a força do protesto da opinião pública impeça um ato de injustiça em curso e ajude Angela Davis a recuperar a sua liberdade.”  
Entre os singatários do documento estão: os alemães ocidentais Wolfgang Abendroth, Barbara Johannes Agnoli, Ernest Bloch, Heinrich Böll, Rolf Denker, Helmuth Fahrenbach, Iring Fetscher, Elisabeth Freundlich, Helmuth Gollowitzer, Joachim Ehinz Heidorn, Walter Jens, Jurgen Moltmann, Helmuth Plessner, Fritz Raddatz, Walter Schulz, Jacob Taubes, Friz Wilmar, Martin Walser; os austríacos Gunther Anders, Ernest Fischer, Friedrich Heer, Gunther Nennlng; os iugoslavos Arandelovic Bosnjak, Cvjetlcanin Grlic, Indie Kangrga, Korac Kuinar, Kuvacic Markovic, Milic Pesic-Globovic, Petrovic Popov, Tadic Vranicki Zivotic; os suíços Rolf Hochhuth, Hans Heinz-Holz; o soviético Pjotr L. Kapiza; os italianos Elsa Morante e Nelo Risi; os húngaros Annie Fischer, Andras Hegedus, Agnes Heller, Miklos Jancso, Andras Kovacs, Jozsef Lengyel, György Lukács.


O documento também é assinado por mil estudantes universitários.

Comentários

Kátia Cajá disse…
Obrigada pela contribuição :)
Paulo Ayres disse…
Um fato pouco conhecido. Obrigado por compartilhar.

Postagens mais visitadas deste blog

A teoria marginalista do valor e a economia política neoclássica (Ernest Mandel)

"Problemas de Gênero", da Judith Butler

Apropriação cultural e racismo culturalista