A Única Antiode que poderia ser escrita num Dia como Hoje (Obras Completas 1996-2007)


Vai-se o céu
As fragatas de nuvens que arrebatas, ó poente
Dissolvem no tempo-rio
                     temporário
As grandes construções da terra. O sol sói
Mas a Noite, feita mulher nesta Elegia
Escolheu que seu seio úmido e negro afastasse dos homens
A lembrança do Dia. Lotófaga
Até que, no sono, tudo indistinto a ponto
De que nem nossas feridas na pele formassem mapas


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A teoria marginalista do valor e a economia política neoclássica (Ernest Mandel)

"Problemas de Gênero", da Judith Butler

Apropriação cultural e racismo culturalista