(Obras Completas 1996-2007)


O mundo não tem sentido
Urge reconstruí-lo.
Toda pracinha de subúrbio
Todo rosto virado pra lua
é absurdo.
Tudo no lugar errado:
As nuvens não convencem ali, deitadas no céu.
Parece que as coisas vão chover
Deasabar e desabrigar seu interior.
O mundo parece um fanstasma
- de pessoa viva
O verão, um calor que não se justifica
O inverno, um palor que nos impala.
O mundo apodrece de tão incompleto



Comentários