Canção de Ninar (Obras Completas 1996-2007)


   Dorme jogado no sofá. O longo corpo contorcido rodeado pelos gatos. Corps elétriques. Os lábios da cor da mancha do gato branco, rajado de rosa a ponto de parecer op art. Do seu amor está consumido, dorme confuso e bobo.
   Na timidez solidão, o outro lhe disse que se vai só ao sono, à loucura, à. Cálice calado deste pacto. Justaposto entre irmãos. Flores de fezes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A teoria marginalista do valor e a economia política neoclássica (Ernest Mandel)

"Problemas de Gênero", da Judith Butler

Manifesto do Gay Liberation Front, em português!